17/01/2017 | Portugues

U.S.A: Agricultura americana tem um pé atrás com Trump

Líderes do setor agrícola estão preocupados com o mandato do novo presidente americano Donald Trump.

Trump correu para parar a imigração ilegal e deportar imigrantes sem documentos e residentes nos EUA, muitos atribuem que a plataforma serviu como chave para sua eleição presidencial de 8 de novembro. Em alguns pontos da campanha, Trump prometeu construir um muro ao longo da fronteira com o México, a fonte de muitos trabalhadores sem documentos na agricultura dos EUA, e deportaria todos os cerca de 11 milhões de residentes ilegais, o que incluiria milhões desses trabalhadores agrícolas.

Após a eleição, Trump e muitos partidários começaram a recuar dessas posições. Isso inclui o representante dos EUA, Dennis Ross, R-Lakeland, membro da equipe de transição Trump, que em um discurso no dia 14 de novembro na reunião anual da Natural Growers da Flórida afirmou categoricamente que não deportaria 11 milhões de pessoas.

Trump não deu uma indicação clara de quais políticas de imigração ele empreenderá e quanto ele estaria disposto a acomodar na indústria agrícola americana, que depende de trabalhadores mexicanos e centro-americanos para realizar as colheitas, afirmam os líderes da agricultura da Flórida.

"Não sabemos o que ele vai fazer", disse diretor de relações trabalhistas da Associação de Frutas e Vegetais da Flórida, Mike Carlton, da cidade de Maitland, que representa a maioria dos produtores do estado. "Nós certamente temos preocupações, mas há muitas maneiras que ele poderia agir."

Se Trump não perseguir uma política agressiva de deportação, os produtores de morango e tomate da Flórida  perderiam ainda mais, porque os trabalhadores sem documentos ainda escolheriam a maioria dessas culturas, disse Carlton.

Fonte: citrusbr.com